Início BACANA NEWS Réveillon do Rio terá eventos espalhados para reduzir aglomeração

Réveillon do Rio terá eventos espalhados para reduzir aglomeração

Compartilhar
Queima de fogos na praia de Copacabana, Réveillon Rio 2019

Foto: Gabriel Monteiro/SECOM

Ainda em busca de um formato para a sua tradicional festa de réveillon, a prefeitura do Rio de Janeiro anunciou nesta quarta (5) que a festa deve ser espalhada pela cidade para formar aglomerações menores, que facilitem o deslocamento e a fiscalização das medidas de segurança impostas pela pandemia. Além disso, a celebração deve contar com momentos de silêncio pelas vítimas da covid-19 e de homenagem aos médicos e outros profissionais.

As aglomerações que ocorrem em eventos como shows e festas são consideradas arriscadas por especialistas e pela Organização Mundial de Saúde (OMS), uma vez que facilitam a circulação do coronavírus, que entra no corpo humano principalmente pelo sistema respiratório.

A queima de fogos e os shows que costumam marcar a virada do ano – dia 31 de dezembro – na praia de Copacabana devem ser transmitidos pela internet, e, segundo o prefeito Marcelo Crivella, outros pontos da cidade, como o Cristo Redentor e as praias de Botafogo e Barra da Tijuca, também devem receber as atrações principais.

O prefeito disse que a medida visa a “evitar o contágio em massa”. “Vamos espalhar nossos eventos para que a gente possa ter os dois milhões de pessoas que atualmente temos no [réveillon do] Rio, mas em locais mais separados, evitando grandes aglomerações no transporte e também na região da praia”, ponderou.

Queima de fogos

A realização de festas de réveillon em diversos pontos do Rio não é uma novidade. No ano passado, por exemplo, além de Copacabana, houve palcos na praia do Flamengo, Ilha de Paquetá, Ilha do Governador, Parque de Madureira, Sepetiba, Guaratiba, Piscinão de Ramos e Penha. Já na Barra da Tijuca, foram 12 pontos de queima de fogos, com duração de 5 a 15 minutos.

A prefeitura afirmou, ainda, que os detalhes de como será a comemoração ainda estão sendo discutidos pela Riotur, o setor hoteleiro e o comitê científico que têm deliberado sobre as medidas de prevenção à covid-19 na cidade.

Por Agência Brasil