Início BACANA NEWS Instituto Carlos Gomes recebe objetos que vão integrar acervo do Centro de...

Instituto Carlos Gomes recebe objetos que vão integrar acervo do Centro de Memória

Compartilhar

A Fundação Carlos Gomes recebeu na manhã de ontem (13), peças históricas que integram o acervo do Instituto Estadual Carlos Gomes, mas que estavam sendo guardadas no Museu do Estado do Pará (MEP). Ao todo, 11 peças foram devolvidas e agora passam a integrar o recém criado Centro de Memória do Instituto, que ainda está em fase de implantação.

Entre as peças histórias que foram devolvidas estão duas máscaras mortuárias do maestro Antônio Carlos Gomes, a máscara mortuária do maestro Waldemar Henrique, a carta da Imperial Sociedade Beneficente Artística Paraense, retratos de Carlos Gomes, do Intendente Antônio José Lemos e do Imperador D. Pedro II.

As peças estavam fora do instituto há 15 anos e contam parte da história da música em Belém. “Essa cidade tem uma história muito importante com a música, uma tradição musical que vem antes de Carlos Gomes, desde a época dos jesuítas. Com a vinda do maestro, a cena musical de Belém ficou com uma amplitude maior, que deu possibilidade de muita gente se formar. Então esse acervo tem uma importância própria, porque essas peças retornaram para o local de base, que é o instituto, onde deveriam ser mantidas”, conta a historiadora e restauradora Rosa Arraes.

O IECG recebeu também duas peças consideradas muito especiais pelos restauradores, as batutas dos maestros Ettore Bosio e de Carlos Gomes, o principal bastão que o artista usou para reger orquestras pelo mundo todo.

Durante a entrega das peças históricas estavam presentes o superintendente da FCG, Paulo José Campos de Melo; a diretora Administrativa Financeira, Suely Fraiha; e a coordenadora de Extensão e Pesquisa, Ana Maria Adade. Os representantes da FCG/IECG conferiram as peças juntamente com a equipe que integra o Centro de Memória do IECG, coordenado pela restauradora Rosa Arraes.

O centro de memória deve ser inaugurado em junho de 2018 e o objetivo é preservar uma parte importante da história da música em Belém. “Não vamos medir esforços para que este acervo seja preservado”, informou o superintendente da Fundação, Paulo José Campos de Melo.