Início BACANA NEWS Fraudes financeiras nas transações digitais tem a região Norte como líder

Fraudes financeiras nas transações digitais tem a região Norte como líder

Compartilhar
Foto: reprodução

De acordo com os dados da consultoria ClearSale, especializada no segmento, as tentativas de crimes envolvendo finanças subiram 53% em 2020 se comparado ao ano imediatamente anterior. De acordo com o estudo, o crescimento é decorrente do isolamento social devido à pandemia do novo coronavírus, que impulsionou a migração das transações comerciais aos canais digitais.

As tentativas de fraudes financeiras no Norte do País registraram alta de 3,52% no ano passado, se comparado a 2019, o que representa o maior crescimento dentre todas as regiões brasileiras. Em seguida, aparecem o Centro-Oeste (2,13%), Nordeste (2,05%), Sudeste (1,29%) e Sul (0,76%).

Foram consideradas como fraudes pela consultoria todas as transações que fugiam do padrão de operações feitas normalmente pelo consumidor, a maioria com base nas movimentações feitas pelo cartão de crédito. Valores altos demais e localizações diferentes foram classificadas como suspeitas.

As informações chegam aos criminosos por meio de roubo ou furto de dados, ou ainda quando o fraudador aplica golpes para manipular a vítima e conseguir dados pessoais. Com o avanço da pandemia, um levantamento feito pela Câmara Brasileira da Economia Digital indicou que o faturamento do comércio online no Brasil mais que dobrou em 2020.

Comparado ao ano de 2019, o aumento foi de 122% no acumulado do ano até novembro. Por outro lado, as tentativas de fraudes, segundo o estudo da consultoria, subiram 45,5% no ano passado. O levantamento da consultoria também apontou que a categoria “celulares” foi a que mais sofreu tentativas de fraudes. O setor automotivo e o de alimentos vieram logo em seguida.

A pesquisa também analisou outros mercados: no segmento de telecomunicações, mais de 704 mil das mais de 14 milhões de transações eram tentativas de fraudes. Já no setor financeiro, foram mais de 902 mil das mais de 22 milhões de transações analisadas.