Início BLOG DO BACANA Faepa e Banco da Amazônia discutem ações de investimento para o agronegócio...

Faepa e Banco da Amazônia discutem ações de investimento para o agronegócio no Estado

Compartilhar

Foto: Divulgação

Técnicos participaram na manhã desta quinta-feira, 8, na sede da Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (Faepa), do Encontro de Planejamento para Aplicação das Fontes de Recursos Financeiros do Banco da Amazônia para 2020, que teve a finalidade de viabilizar a prospecção do que será feito com os investimentos financeiros para o próximo ano. Na ocasião foram entregues formulários de pesquisa com o propósito de reunir sugestões que serão analisadas pela área técnica da Instituição bancária a fim de serem implantadas para impulsionar o setor agrário do estado.

De acordo com o presidente da Faepa, Carlos Xavier, a iniciativa de reunir e discutir com o setor possibilita o maior fomento de recursos para o desenvolvimento do agronegócio no Estado. “Reunimos também com entidades ligadas a produção e juntos podemos obter resultados mais significativos. O importante é buscar soluções que facilitem a vida de quem quer produzir”, enfatizou.

O Superintendente Regional do Banco da Amazônia do Pará e do Amapá, Luiz Lourenço, explica que dobrou o valor investido de 2018 para 2019 – 1,47 bilhões para 3,5 bilhões – destinados aos setores da indústria, comércio e agronegócio do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO). “Além de apresentarmos os números de investimentos relacionados ao período de 2014 a 2018, vamos nos antecipar a pensar nas ações para o próximo ano”, explicou.

O pecuarista do munícipio de Chaves, no Marajó, Nelson Ribeiro, disse que investimentos são sempre bem vindos, e que a região, por exemplo, tem grande potencial. “Essas ações podem contribuir para alavancar o setor produtivo. Temos o maior rebanho bubalino do mundo. É preciso investir no Estado”, analisou.

O diretor da Faepa, Ribamar Siso enfatizou que “embora tenha aumentado o valor de investimentos, temos que ampliar os recursos e pensar em medidas que visem a minimização de riscos aos produtores rurais, para potencializarmos os resultados”, alertou.

Fonte: FAEPA