Início BLOG DO BACANA Em meio à crise proporcionada pelo Covid-19, microempresário denuncia dificuldades para...

Em meio à crise proporcionada pelo Covid-19, microempresário denuncia dificuldades para negociar dívidas junto aos bancos

Compartilhar

Foto: Divulgação

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) anunciou que suspenderia o pagamento de dívidas de pequenas empresas e pessoas físicas que estivessem em dia com as parcelas. O governo falou que adiará o pagamento do Simples. Mas a realidade não é bem essa. É o que denuncia o microempresário Alann Rezende, proprietário da Ciclor Bike Shop, no bairro de Batista Campos, em Belém.

Confira a entrevista, que denuncia esse e outros problemas, que tendem a se agravar com a crise financeira proporcionada pelo coronavírus.

  • Como vai funcionar na prática a negociação do Simples?

R- “A prorrogação do Simples Nacional por 3 meses só vale para o vencimento em abril. Só que em abril, muitas empresas estarão fechadas e sem receita, então não terão nada pra pagar mesmo. E quem não pagar o imposto de março, que vence nesta sexta-feira (20.03), não poderá fazer parte do programa em abril.

  • Como os bancos estão negociando as dívidas dos microempresários?

R- “O Santander está exigindo o pagamento de uma taxa extra, que irá aumentar cada parcela atual. A Caixa criou tanta regra que nem os gerentes estão sabendo como proceder. Uma delas é autorizar adiamento só pra quem já tem 11 parcelas pagas. Mas quem pegou empréstimo recente não tinha como prever isso. Outra regra diz que é somente para financiamentos de capital de giro ou crédito pessoal, mas tem tipos de capital de giro que se não se enquadram.

Já o Bradesco não está adiando pagamentos e propõe fazer um novo contrato com o valor das parcelas restantes, mas como os juros estão altos, os valores das prestações ficarão mais caras.

Os gerentes do Banco do Brasil, em Belém, não retornam contato sobre como solicitar adiamento, o que força todos a irem às agências quando deveríamos evitar aglomerações.

Vale aqui parabenizar o Banco da Amazônia, que exige apenas uma carta de solicitação, sem precisar ir à agência, e prorrogou o pagamento por 6 meses”

  • O que o motivou a fazer essa denúncia?

R- “Espero que os bancos parem de fazer marketing nesse momento e adotem procedimentos urgentes, para ajudar aqueles que os enriquecem pagando juros de empréstimos. Muitas pequenas empresas dependem disso para não demitir funcionário”, destacou Alann Rezende.