Início BLOG DO BACANA Drauzio Varela explica sobre o SUS durante participação no programa Roda Viva

Drauzio Varela explica sobre o SUS durante participação no programa Roda Viva

Compartilhar

Foto: Reprodução/TV Cultura

Com informações do Ministério da Saúde e Carta Campinas

Um trecho da entrevista do médico Drauzio Varella, no Roda Viva desta semana, ele procurou explicar a importância do SUS (Sistema Único de Saúde). Para ele, ou o Brasil escolhe o SUS ou escolhe a barbárie humana.

“Nós temos de encontrar uma forma de financiar o SUS. Não se pode ir tirando o dinheiro, diminuindo o dinheiro que vai para a Saúde porque isso acaba saindo mais caro do outro lado. Tem coisa que nós temos de preservar. Preservar a Saúde é o quê? É preservar a vida dos brasileiros”, afirmou.

Conforme a Constituição Federal de 1988 (CF-88), a “Saúde é direito de todos e dever do Estado”. Assim foi criado o Sistema Único de Saúde (SUS), um dos maiores sistemas públicos de saúde do mundo, que abrange desde o simples atendimento para avaliação da pressão arterial até o transplante de órgãos, garantindo acesso integral, universal e gratuito para toda a população do país.

No período anterior a CF-88, o sistema público de saúde prestava assistência apenas aos trabalhadores vinculados à Previdência Social, aproximadamente 30 milhões de pessoas com acesso aos serviços hospitalares, cabendo o atendimento aos demais cidadãos às entidades filantrópicas.

Com a sua criação, o SUS proporcionou o acesso universal ao sistema público de saúde, sem discriminação. A atenção integral à saúde, e não somente os cuidados assistenciais,  passou a ser um direito de todos os brasileiros, desde a gestação e por toda a vida, com foco na saúde com qualidade de vida.

A CF-88 e posteriormente, a Lei Orgânica da Saúde, de nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, intensificam debates já existes acerca do conceito. Nesse contexto, entende-se que saúde não se limita apenas a ausência de doença, considerando, sobretudo, como qualidade de vida, decorrente de outras políticas públicas que promovam a redução de desigualdades regionais e promovam desenvolvimentos econômico e social.

Dessa maneira,  o SUS, em conjunto com as demais políticas, deve atuar na promoção da saúde, prevenção de ocorrência de agravos e recuperação dos doentes.  A gestão das ações e dos serviços de saúde deve ser solidária e participativa entre os três entes da Federação: a União, os Estados e os municípios.

A rede que compõem o SUS é ampla e abrange tanto ações, como serviços de saúde. Ela engloba a atenção básica, média e alta complexidades, os serviços urgência e emergência, a atenção hospitalar, as ações e serviços das vigilâncias epidemiológica, sanitária e ambiental e assistência farmacêutica.

Ou seja, o problema não está no SUS de maneira alguma, e sim como ele está sendo gerido.