Início BACANA NEWS Cientistas descobrem possível universo onde tempo passa ao contrário

Cientistas descobrem possível universo onde tempo passa ao contrário

Compartilhar

Foto: Bernt Ove Moss / EyeEm/Getty Images

Por EXAME

O personagem principal do filme O Curioso Caso de Benjamin Button teve tudo, menos uma vida comum. Button nasceu idoso e, conforme os anos foram passando, se tornou cada vez mais jovem — a ordem reversa da cronologia humana. E se isso acontecesse no espaço? Cientistas de um grupo financiado pela Nasa, sem ligação direta com a agência americana, descobriram evidências de um “provável universo paralelo” onde o tempo passa ao contrário. Parece roteiro de filme de ficção científica — mas pode não ser.

O “universo paralelo” está localizado na Antártica e foi encontrado com ajuda da Antena Impulsiva Transiente da Antártica (Anita). Mas os cientistas não estavam procurando exatamente isso. A intenção era investigar os “ventos” de partículas de alta energia vindas do espaço. Durante o estudo, os pesquisadores observaram “neutrinos tau“, partículas de alta energia, mais pesadas, saindo da Terra, o que indica que elas estavam ao contrário no tempo. A teoria é apenas uma das várias que os pesquisadores estão estudando para entender melhor o fenômeno.

Peter Gorham, físico experimental de partículas da Universidade do Havaí, e sua equipe, no entanto, encontraram partículas que se movimentam de forma contrária às do planeta Terra, viajando para trás, o que sugere a existência de um universo paralelo.

Thiago Gonçalves, coordenador da comissão de imprensa da Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) e professor de astrofísica na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a chance de esse universo existir é muito pequena, se é que realmente existe. “Essa história de universo paralelo é uma explicação bastante exótica e foge do que seria esperado. De todas as teorias para explicar o resultado, essa é a menos provável de todas”, afirmou ele em entrevista à EXAME por telefone.

O que teria acontecido para que esse segundo “mundo” fosse possível, de acordo com a análise dos cientistas é que, no momento da explosão do Big Bang, dois universos foram criados. O primeiro é o que conhecemos, e o segundo, sob a perspectiva do tempo na Terra, está indo ao contrário. Se esse universo for habitado, nosso planeta estará contrário a ele. É como se fosse uma versão em um espelho. A direita se torna a esquerda, o positivo é o negativo, segundo Gorham.

Em entrevista à revista científica New Scientist em abril, Gorham afirmou que “nem todo mundo está confortável com essa hipótese” e até mesmo cientistas do grupo dele não confiam 100% na teoria.

Sobre a publicação do estudo, Gorham disse à New Scientist que se sente “relutante” por não ter nenhuma confirmação ainda sobre a existência do segundo universo. “Não sabemos como representar isso ainda, mas temos algo”, disse ele.

Gonçalves e outros profissionais da área usaram a seguinte frase do cientista americano Carl Sagan para explicar o assunto: “Afirmações extraordinárias requerem evidências extraordinárias” — e não foi esse o caso. “Existem muitas outras explicações mais prováveis antes dessa [do universo paralelo]. Ainda não temos todas as evidências extraordinárias para essa comprovação”, garantiu.