Início BACANA NEWS Bolsonaristas acusam Bivar de envolvimento em assassinato nos anos 1980

Bolsonaristas acusam Bivar de envolvimento em assassinato nos anos 1980

Compartilhar

Foto: Reprodução/VEJA

Por Nonato Viegas, VEJA.com

Em 3 de outubro de 1982, uma nota publicada num dos principais jornais de Pernambuco informava que o corpo de uma mulher tinha sido encontrado boiando no Rio Capibaribe, no Recife. A morte, tudo indicava, ocorrera por afogamento, embora os bombeiros encarregados do resgate tivessem observado sinais de violência. Um exame mais detalhado feito depois constatou que havia água nos pulmões da vítima, identificada como Claudete Maria da Silva, uma massagista de 30 anos, o que confirmava a suspeita inicial de afogamento. Mas os legistas também perceberam hematomas nos braços, no rosto e nos olhos da mulher, marcas que sugeriam que ela teria sofrido agressões antes de cair ou ser atirada no rio. Suicídio ou assassinato? O caso ganhou ingredientes eletrizantes quando a polícia descobriu que Claudete estava grávida de oito meses e, horas antes de desaparecer, havia confidenciado a uma amiga que iria se encontrar com o pai da criança — um advogado casado, rico, membro de uma família tradicional e influente no estado. Trinta e sete anos depois, esse mistério virou arma de uma guerra suja em Brasília.

A morte da massagista ressurge em meio à disputa pelo controle do PSL entre Jair Bolsonaro e o deputado federal Luciano Bivar — o advogado casado, rico e suposto pai da criança. Na época, Bivar foi apontado pela polícia como o principal suspeito do crime, mas o inquérito instaurado para apurar o caso, até onde se sabe, não chegou a nenhuma conclusão definitiva sobre a autoria. Para os bolsonaristas, não há dúvida. Bivar não só matou a mulher como usou a influência política que sua família já tinha na ocasião para impedir o avanço das investigações e escapar de uma acusação de homicídio. Para provar isso, aliados do presidente da República estão empenhados em colher documentos e testemunhos que possam levar à reabertura do caso. Uma fonte próxima a Bolsonaro disse a VEJA que o objetivo é fulminar a imagem do parlamentar, que comanda o partido e hoje é considerado um dos maiores desafetos do presidente e seus aliados. A investigação particular sobre o passado de Luciano Bivar está sendo realizada por duas pessoas próximas ao presidente da República, uma delas dona de um cargo importante no governo.

Presidente da Embratur, o empresário Gilson Machado foi o primeiro a levar a Bolsonaro a informação de que Luciano Bivar teria envolvimento com o assassinato da massagista. Machado se aproximou muito do presidente durante a campanha em 2018, quando surgiram os primeiros embates entre o grupo de Bolsonaro e o grupo de Bivar pelo controle do partido. Ele relatou a amigos que, em certo momento, ainda na pré-­campanha, Bivar ameaçou retirar a legenda de Bolsonaro caso ele, Bivar, não fosse o candidato a vice na chapa. Se isso acontecesse, não haveria tempo hábil para Bolsonaro trocar de partido e sua candidatura à Presidência da República fatalmente naufragaria. O impasse foi resolvido depois que Machado entregou a Bolsonaro um dossiê com a informação de que Bivar estaria ligado a um crime de morte ocorrido havia mais de três décadas. “Todo mundo com idade sabe que as suspeitas recaíam sobre o Bivar”, disse a VEJA o presidente da Embratur, confirmando que levou as informações ao presidente. “Ele também soube por outras pessoas porque é uma história muito conhecida no Recife. Não fui o único.”

O dossiê não trazia muitos detalhes sobre o nível de participação do deputado no crime, apenas alguns recortes de jornal. Bolsonaro pediu então a Gilson Machado que levantasse mais informações — missão que foi conferida ao segundo personagem desse enredo: o coronel aposentado da Polícia Militar Luiz de França e Silva Meira. Amigo do presidente da República, líder bolsonarista em Pernambuco e também desafeto de Bivar, o coronel procurou policiais e promotores da época e concluiu que interferências políticas teriam impedido a elucidação do crime. O militar também localizou pessoas próximas a Claudete que lhe relataram conversas que tiveram com a massagista dias antes de sua morte. Um dossiê ampliado com essas informações foi entregue à coordenação da pré-campanha de Bolsonaro e, não por acaso, também ao próprio Luciano Bivar. Depois disso, os ânimos arrefeceram, o impasse sobre as legendas foi rapidamente resolvido nos termos em que queriam os bolsonaristas e não se falou mais sobre o caso da massagista.

A trégua durou até outubro último, quando bolsonaristas e bivaristas voltaram a se desentender sobre candidaturas e estratégias para as eleições municipais do ano que vem. O fim do armistício foi anunciado de maneira cifrada pelo presidente da República. Numa conversa gravada na porta do Palácio da Alvorada, Bolsonaro recomendou a um apoiador que se afastasse do PSL justificando que Luciano Bivar estaria “queimado”. Não era apenas mais um dos conhecidos impropérios do presidente. Dias antes, Bolsonaro estivera com Gilson Machado, que, não por coincidência, lhe relatou os avanços da investigação particular sobre o passado do presidente do PSL. O coronel Meira, segundo o presidente da Embratur, teria localizado a mãe e a irmã da massagista. O depoimento delas ao policial aposentado não deixava dúvida sobre o envolvimento de Luciano Bivar no crime. Faltava apenas convencer a mãe e a irmã, que estavam com medo, a repetir a história ao Ministério Público e convencer os promotores a reabrir o caso. Provavelmente foi esse relato que levou o presidente a concluir que Bivar estaria “queimado”.

VEJA localizou o coronel Meira no Recife. O policial confirmou a amizade com o presidente e sua atuação na investigação privada sobre o caso da massagista. Ele conta que há um mês descobriu onde estavam morando a mãe e a irmã de Claudete e ficou surpreso ao saber que nenhuma das duas foi procurada pela polícia durante as investigações. No primeiro encontro com a irmã, o coronel diz que ouviu, entre outras coisas, um relato detalhado sobre o relacionamento de cinco anos que Claudete teria mantido com Luciano Bivar entre o fim da década de 70 e o início dos anos 1980. A irmã ficou de consultar a mãe sobre a possibilidade de ir ao Ministério Público para formalizar um depoimento. “Bivar usou a influência política que já tinha na época para que o inquérito não seguisse seu curso normal. A polícia investigou mal, testemunhas importantes deixaram de ser ouvidas e o nome do deputado misteriosamente desapareceu do processo”, afirma o militar. O coronel ressalta que repassou essas informações a Gilson Machado, que, por sua vez, as levou ao presidente Bolsonaro.

Por intermédio do coronel, VEJA também se encontrou com a irmã de Claudete. A entrevista aconteceu dentro do carro de Meira no centro do Recife. Nervosa, ela pediu que seu nome e sua imagem não fossem divulgados. À reportagem, confirmou o relacionamento de Claudete e Bivar, de quem supostamente a massagista estava grávida, e disse que a família, muito pobre, não tinha condições de acompanhar as investigações. “Tudo o que queríamos era enterrar o corpo. Esse caso envolve muita gente poderosa. Minha mãe passa mal sempre que se fala sobre o assassinato da minha irmã, e ainda temos muito medo”, ressalta. Segundo ela, Claudete e Bivar se afastaram quando foi descoberta a gravidez, e, a poucos dias do parto, o deputado voltou a procurá-la. “Ele disse que queria reatar, marcou um encontro e pediu a ela que levasse todas as cartas de amor que guardava”, continua a irmã. Depois disso, Claudete sumiu. “Eu me lembro que estávamos assistindo à TV quando passou a reportagem sobre o aparecimento do corpo de uma mulher no Rio Capibaribe. Minha mãe disse na hora: é de Claudete. Ela tinha medo da relação de Bivar com Claudete. Ele já era gente poderosa, e a gente era humilde”, conta.

Os aliados do presidente sabem que, juridicamente, não há muito que fazer. Devido ao tempo, o crime está prescrito, ou seja, ninguém pode ser punido pela morte da massagista. “Teoricamente, é possível analisar depoimentos ou alguma outra prova para tentar revelar o culpado e dar uma explicação à família. Mas só”, explica Davi Tangerino, advogado criminalista e professor da Fundação Getulio Vargas. A varredura no passado de Bivar, portanto, atende apenas aos objetivos bélicos dos bolsonaristas. É também uma amostra do baixo nível que atingiu a briga interna no PSL, uma espécie de vale-­tudo na disputa pelo poder. Bolsonaro, além de fustigar o passado de Bivar, acionou seus aliados para tentar ocupar os principais cargos do partido. Em um contra-­ataque, Bivar ameaçou expurgar os bolsonaristas. Procurado por VEJA, Luciano Bivar não quis comentar o caso. Nesse ambiente altamente inflamável, é difícil prever se o dossiê sobre o passado do deputado vai funcionar como água ou gasolina.

Publicado em VEJA de 13 de novembro de 2019, edição nº 2660